MPAC realiza visita institucional a Policlínica do Tucumã

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por meio da coordenadora do Centro de Apoio Operacional de defesa da Saúde, Pessoa Idosa e Pessoa com Deficiência, procuradora de Justiça Gilcely Evangelista, realizou uma visita institucional na policlínica do bairro Tucumã, na manhã desta terça-feira, 11.

A procuradora foi recebida pelo diretor da unidade, psicólogo João Paulo. Ele apresentou as instalações da policlínica, que atualmente atende boa parte da população de baixa renda de Rio Branco e está em fase de reestruturação. De acordo com João Paulo, sua gestão tem buscado parcerias com instituições e empresários para auxiliar na reforma e aprimorar os serviços que atualmente são disponibilizados, como a cirurgia de vasectomia e o atendimento pediátrico.

“Aqui no Acre temos selado grandes parcerias e hoje o Ministério Público, através do Caop, seria nosso grande parceiro na parte de comunicação aos outros promotores sobre a importância do serviço que a Policlínica do Tucumã tem ofertado para a sociedade”, explicou o diretor.

Além de apresentar os serviços de saúde realizados atualmente no Tucumã, o diretor da Policlínica contou à procuradora Gilcely Evangelista sobre uma parceria da unidade de saúde com o Hospital Albert Einstein, de São Paulo, que deve disponibilizar atendimento especializado para gestantes de alto risco e crianças de 0 a 5 anos. O projeto, que está em fase de estruturação, poderá proporcionar às gestantes acompanhamento psicológico, ginecológico, nutricional, entre outros.

“Feliz em ver a policlínica do Tucumã desta forma. É bom vê-la como referência novamente. Devemos refazer e colocar esse trabalho à frente. Para trabalhar com a saúde tem que ter um trabalho humanizado, olhar no olho, conversar, conhecer o problema real do paciente”, afirmou a procuradora de Justiça.

 

Planejamento familiar

Segundo o diretor, a policlínica do Tucumã é referência no estado em ações de planejamento familiar. A unidade realiza, gratuitamente, cirurgia de vasectomia.

No Brasil, o procedimento é regulamentado por meio da Lei n° 9263/96 a qual estabelecesse os critérios para sua execução. Segundo a lei, todo homem com mais de 25 anos ou que já tenha dois filhos pode fazer a vasectomia.

O primeiro passo, segundo João Paulo, é procurar uma unidade básica de saúde mais próxima para receber orientação educativa pela equipe de enfermagem. Depois, o paciente deve comparecer, com o documento emitido pela enfermagem da UBS, na Policlínica do Tucumã, para agendamento de atendimento com psicólogo, momento em que recebe orientação e aconselhamento. Ao finalizar a segunda etapa, o usuário deve aguardar o prazo de 60 dias para tramitação e análise do processo, para só então passar pelo procedimento.

Dentro das ações de planejamento familiar da unidade está também a inserção de DIU (dispositivo intrauterino), além de orientação quanto a métodos contraceptivos para mulheres.

Hudson Menezes (estagiário) – Agência de Notícias do MPAC