MPAC participa de capacitação para monitorar desmatamento ilegal

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) procura se municiar com informações para planejar ações de prevenção e combate ao desmatamento ilegal. Na semana passada, a instituição participou de um workshop para atuar no Projeto MapBiomas.

A chefe do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente, Patrimônio Histórico e Cultura, Habitação e Urbanismo (Caop/Maphu), Vângela do Nascimento, representou o MPAC na capacitação, que ocorreu no dia 20 de novembro, em Brasília.

Formado por uma rede ONGs, universidades e empresas, o MapBiomas é considerado o maior projeto de monitoramento do solo por satélite no Brasil. Em uma de suas versões, o projeto disponibiliza o MapBiomas Alerta, um sistema que utiliza imagem de satélite de alta resolução que valida e refina dados para gerar laudos de desmatamentos.

Em um esforço empreendido através de parceria com o Projeto MapBiomas, a Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público de Meio Ambiente (Abrampa) quer preparar, inclusive com encontros virtuais, os Centros de Apoio Operacional de Meio Ambiente e suas equipes para lidar com o MapBiomas Alerta.

Com isso, o Ministério Público terá em mãos mais informações sobre os desmatamentos de vegetação nativa nos diferentes biomas e pode planejar uma atuação mais efetiva para a responsabilização dos infratores e reparação dos danos ambientais.

Durante o workshop, foram propostas medidas no âmbito do MP, como padronização de processos e laudos referentes às informações colhidas, além de seus desdobramentos. Segundo Vângela do Nascimento, a vantagem é que haverá redução de custos em torno do combate ao desmatamento ilegal, através da tecnologia de sensoriamento remoto.

Jaidesson Peres- Agência de Notícias do MPAC