MPAC denuncia e 12 réus vão a julgamento por homicídio e integração em organização criminosa

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), representado pelos promotores de Justiça Ildon Maximiano e Whashington Medeiros, participou, nesta terça-feira (5), do primeiro dia da audiência de instrução e julgamento pelo Tribunal do Júri de 12 réus acusados de envolvimento na morte de Valdeci Oliveira Nascimento e de integrarem uma facção criminosa.

Na audiência, foram iniciadas as oitivas de todos os acusados e das testemunhas de acusação e defesa. O crime ocorreu na madrugada no dia 4 de maio de 2017, no Bujari.

De acordo com a denúncia, quatro indivíduos foram até a casa da vítima cumprir uma ordem de execução dada pelo conselho da facção criminosa a qual pertenciam. Um dos denunciados ficou do lado de fora, enquanto outros seguraram a vítima, filmaram e efetuaram o disparo, empreendendo fuga em seguida. A vítima ainda teve uma de suas orelhas decepadas enquanto estava viva.

Os acusados foram presos dias depois e, após terem sido reconhecidos por uma testemunha, confessaram a participação no crime e na organização criminosa. A arma foi encontrada enterrada no quintal do local onde estavam escondidos. Ainda de acordo com a denúncia, no decorrer das investigações, após análise dos dados do celular apreendido de um dos denunciados, foi demonstrada a participação dos demais indiciados.

De acordo com o promotor de Justiça Ildon Maximiano, o número de acusados se justifica pela participação dos indivíduos em várias etapas do crime. “Várias pessoas tomaram a frente na realização do homicídio, cada uma com papéis distintos, como aqueles que solicitaram a morte, que ordenaram a execução e detinham o comando, quem recebeu e organizou, além daqueles que executaram e também os que auxiliaram na realização do crime de alguma forma, seja moralmente ou por meio de auxílio material”, explicou.

Agência de Notícias do MPAC