‘Viver para Servir’ oferece curso de defesa pessoal       

A programação do mês de agosto do Programa ‘Viver para Servir’ será aberta com a oferta, aos membros e servidores, de um curso de defesa pessoal, que acontece no dia 16, no Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (Ceaf). As vagas são limitadas.

Com foco na prevenção e proteção contra situações de risco que envolvam violência e com duração de duas horas, o curso será conduzido pelo policial militar Edivandro Carmo do Nascimento, que atua também na guarda da Procuradoria Geral de Justiça.

Diferente da noção mais comum de que a defesa pessoal é voltada apenas para o confronto físico, Edivandro destaca que o aspecto mais importante a ser levado em consideração diz respeito à proteção da integridade física de uma pessoa diante de situações de risco, com estratégias que vão desde criar hábitos de observação do que está acontecendo em volta até minimizar as chances de se enquadrar nas estatísticas da violência.

Segundo ele, existem várias estratégias que ajudam a evitar que a integridade física seja comprometida. “Conhecendo algumas técnicas e dicas, poderemos ficar mais vigilantes e minimizar a possibilidade de nos tornarmos vítimas da violência”, garante.

 

O facilitador

Edivandro do Carmo Nascimento, 37 anos, é policial militar há nove anos e atua no Gabinete Militar de Segurança Institucional (GMSI). Praticante de artes marciais desde a adolescência, coleciona faixas pretas em taekwondo e hapkidô, e faixa roxa em jiu-jítsu.

Em uma breve conversa, ele fala o que é defesa pessoal, seus objetivos e as medidas usadas para se livrar de situações delicadas que envolvam violência.

O que é e qual o objetivo da defesa pessoal?

R: Lembrando que a defesa pessoal não é uma arte marcial, ela engloba várias artes marciais empregando movimentos em que você possa se defender contra o oponente, de um ataque injusto, de uma injusta agressão, em que você esteja em desvantagem.

Qual a melhor forma de evitar situações de risco no dia a dia?

R: Sempre, sempre, observar bem o local em que você esteja andando. Hoje em dia, temos que observar o local em que estamos entrando. Quando você chegar, observe as pessoas que estão ao seu redor e, o principal, uma porta, uma via de saída, porque na defesa pessoal você vai empregar técnicas para poder escapar.

Qual seria um tipo de situação que poderia resultar em um combate?

R: É uma situação em que você vai sofrer uma agressão. Quando alguém tentar imobilizá-lo ou tentar lhe dar um soco, esse tipo de agressão. Então, você vai ter que usar os meios necessários para proteger sua integridade física.

Caso a pessoa possua algum tipo de desvantagem, como porte físico ou esteja intimidada por arma, como ela deve proceder?

R: Primeiro a questão de o oponente portar arma. É bem complicada essa situação, porque não tem que pensar só em você, tem que pensar onde você está, se há pessoas ao redor. Se for uma arma de fogo, você pode se livrar do tiro, mas para onde vai o tiro? Pode pegar em outra pessoa que não tem nada a ver com a situação. Sendo faca, tem a possibilidade de se cortar, então você tem que se preparar mentalmente para isso. Quanto à questão física, de soco, chute, seriam as partes mais fáceis para você se livrar. Mas, para tudo isso, tem que ter treino, aí cabe procurar uma academia para aprofundar o conhecimento.

Como será e qual vai ser o conteúdo desse curso?

R: Inicialmente, vai ter duração de duas horas. Vamos ter noção de soco, chute, defesa contra agressão à mão livre, duas ou três noções de queda, projeção, e defesa contra armas, seja de fogo ou branca.

Jaideson Peres – Agência de Notícias do MPAC