Promotorias Criminais entregam Planejamento Operacional de Atuação e apresentam novos projetos

A procuradora-geral de Justiça do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), Kátia Rejane de Araújo Rodrigues, recebeu nesta quarta-feira, 08, os promotores de Justiça titulares das Promotorias de Justiça Criminais do MPAC, Aretuza Cruz, Nelma Siqueira, Joana D’Arc Martins e José Rui da Silveira. Os membros formalizaram a entrega do Planejamento Operacional de Atuação (POA) e apresentaram novos projetos para o MPAC.

O POA é uma determinação do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) a todas as Unidades do MP brasileiro. Conta com diretrizes da Carta de Brasília e da Corregedoria Nacional do Ministério Público. A intenção do plano é contribuir com a execução de metas, sobretudo, as que estão previstas no Planejamento Estratégico 2016-2021 da instituição, como atribuições, objetivos, foco de atuação, projetos e ações previstas, indicadores, metas, acompanhamento de resultados e efetividade das ações.

“Nós, promotores de Justiça das Promotorias Criminais de Rio Branco, decidimos fazer o POA em conjunto. Nós estabelecemos uma meta que é a realização de um mutirão de inquéritos na Delegacia de Combate a Roubo e Extorsões de Rio Branco. Com esse objetivo em comum, viemos entregar o POA à procuradora-geral de Justiça. Além da formalização da entrega, viemos pedir apoio para efetivação do indicador”, destacou a promotora de Justiça Aretuza Cruz.

A promotora de Justiça Nelma Siqueira, titular da 1ª Promotoria de Justiça Criminal e promotora-corregedora do MPAC, contou que as quatro promotorias criminais elaboraram em conjunto um projeto de mutirão de inquéritos de crimes violentos. “A ideia é resgatar os inquéritos que estão paralisados na Delegacia de Combate a Roubo e Extorsões de Rio Branco, com escopo de dar uma resposta para a sociedade”, frisou.

 

Outros projetos

Aretuza Cruz também entregou juntamente com o seu POA, dois novos projetos: o “CPF do Celular”, que visa a uma campanha informativa dentro do corpo de servidores do MPAC. A ideia é levar informação e conscientização para que cada um tenha consigo o dado de informação do IMEI, código de identificação do aparelho de telefone celular.

“O celular é um dos bens mais procurados por pessoas que praticam crimes de furto. O objetivo desse projeto é desagregar valor ao bem, pois ocorrendo o furto, as informações podem ser encaminhadas à autoridade policial e, com esses dados, eles podem obter, junto à operadora de telefonia, os dados pessoais da pessoa que habilitou um novo chip no aparelho. Assim, podemos tentar identificar o autor do roubo e os receptadores”, detalhou.

Outro projeto é o “Manual das Promotorias de Justiça Criminais”. “Neste, vamos desenhar o fluxograma de todas as atividades e processos das Promotorias de Justiça Criminais”, destacou.

Nelma Siqueira também entregou um mapeamento dos crimes violentos da Comarca de Rio Branco.

“Minha Promotoria de Justiça elaborou um projeto para mapear os locais da cidade onde ocorrem os crimes violentos (roubo, extorsão e latrocínio). O objetivo é traçar políticas públicas para aumentar o policiamento e tratar com outros órgãos e segmentos da sociedade, com o objetivo de trazer mais segurança para a população”, explicou.

Ana Paula Pojo – Agência de Notícias do MPAC