Oficina de Planejamento abre 9ª Reunião de Acompanhamento Tático-Operacional do MPAC

IMG_0807Como parte da programação da 9ª Reunião de Acompanhamento Tático-Operacional do Ministério Publico do Estado do Acre (MPAC), foi realizada, nessa quinta-feira (16), a Oficina de Planejamento Tático-Operacional. O evento ocorreu no Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (Ceaf), do MPAC.

IMG_0809

A oficina foi aberta pelo procurador-geral adjunto para Assuntos Administrativos e Institucionais, Carlos Maia, que, na ocasião, representou o procurador-geral de Justiça do Acre, Oswaldo D’Albuquerque, que estava em uma sessão do Conselho Superior do MPAC.

“A ideia da oficina é de implementar os programas previstos no PGA [Plano Geral de Atuação], instrumento de planejamento tático-operacional, e capacitar os membros-coordenadores e assessores dos Centros de Apoio Operacional e da Coordenadoria de Recursos sobre o desdobramento do Planejamento Estratégico Nacional”, diz Carlos Maia.

 

MPAC alinhou 100% de seus objetivos com Planejamento Estratégico Nacional

IMG_0808

A oficina foi ministrada pela equipe de profissionais da Diretoria de Planejamento e Gestão Estratégica, Paula Onetty e Dilcilene Sales, com participação da diretora Beth Oliveira.

Na ocasião, houve apresentação e debate sobre a hierarquia de governança, atores e responsáveis, instrumentos de planejamento como prevê a Lei Orgânica do MPAC (LC nº 291/2014) e a Resolução nº 147/20176 do CNMP, que define indicadores como sendo instrumento de mensuração do alcance dos objetivos estratégicos.

Também foi discutida a adoção de indicadores nos seus níveis de contribuição, estratégico, tático e operacional. A iniciativa surgiu a partir de uma Recomendação do CNMP para que todas as unidades ministeriais do país enviassem contribuição a respeito de indicadores para criar os indicadores nacionais do MP brasileiro. O MPAC, por exemplo, alinhou 100% de seus objetivos com o do Planejamento Estratégico Nacional.

IMG_0806“Realizamos trabalhos em grupo para análise e revisão do programa, classificando os projetos e iniciativas de acordo com seu status de execução e estabelecendo indicadores para os três níveis de resultados, estratégico/efetividade, tático/eficácia e operacional/eficiência, para, com isso, tornar perceptíveis os níveis de desempenho espacialmente. Vamos colher as sugestões e enviar nossa contribuição”, explica Beth Oliveira.

Com a discussão sobre os aspectos operacionais do PGA, foi oportunizada uma reflexão sobre os indicadores de impacto e sua efetividade. “Com isso, visou-se assegurar a contribuição do MPAC na transformação social, na indução de políticas públicas, na redução da criminalidade e da corrupção e, sobretudo, na defesa dos direitos fundamentais”, explica a diretora.

Reunião de Acompanhamento Tático-Operacional

Nessa sexta-feira (17), tem início, oficialmente, a 9ª Reunião de Acompanhamento Tático-Operacional (RAT), a partir das 9h da manhã, no Ceaf.

A Reunião vai promover desdobramentos da estratégia definida no âmbito do Planejamento estratégico, delineada no Plano Geral de Atuação (PGA), em nível de ações, por setores do MPAC, para o exercício de 2017.

Na ocasião, também serão apresentados o Banco de Projetos e o Prêmio MPAC, estabelecidos institucionalmente no âmbito do MP acreano por Ato do PGJ.

A Reunião de Acompanhamento Tático-Operacional visa verificar a evolução do planejamento estratégico no nível da realização do produto (eficácia). Ela é conduzida pelo procurador-geral de Justiça, Oswaldo D’Albuquerque, e envolve membros e servidores envolvidos diretamente com a execução da estratégia.

André Ricardo – Agência de Notícias do MPAC