MPAC realiza bate-papo sobre inovação no Judiciário para mediar conflitos

A programação de julho do ‘Viver para Servir’, programa do Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) voltado à valorização de membros e servidores, vai promover, nesta quinta-feira (12) um bate-papo sobre pensamento sistêmico, mediado pelo procurador do estado do Acre Luciano Trindade, que atua também como facilitador em constelações sistêmicas.

O pensamento sistêmico é uma nova forma de compreender o ser humano e suas interações, a partir de um olhar voltado não somente para o indivíduo isolado, mas também para sua rede de relações e o contexto sistêmico em que está inserido. Dentre alguns pressupostos utilizados por essa abordagem, estão a complexidade, a transdiciplinaridade e fenomenologia.

Pioneiro do emprego dessa visão na Justiça brasileira, o juiz Sami Storch, do estado da Bahia, cunhou a expressão direito sistêmico, um tipo de análise que procura ir além daquilo que está visível no processo judicial.  A abordagem sistêmica do direito permite visualizar que os conflitos entre as pessoas geralmente têm origem em raízes profundas e inconscientes, e que os autos judiciais dificilmente dão conta de perceber a complexidade.

Ao encontro do novo Código de Processo Civil, que incentiva a autocomposição para a resolução de conflitos, é cada vez mais comum a utilização dessa metodologia, sendo que 14 tribunais do país formalmente já disponibilizam aos jurisdicionados se beneficiar da técnica. E muitos operadores do Direito, sejam juízes ou representantes das partes, estão percebendo que seu uso pode facilitar a pacificação social, já que são as próprias partes que, ampliando a própria visão, podem construir a solução mais adequada.

Trindade, há dois anos, participa de formações em pensamento sistêmico e, hoje, realiza atendimentos em um espaço chamado ‘Eu Sagrado’, onde trabalha com a técnica da constelação familiar, método que consiste em identificar relações inconscientes e transgeracionais que influenciam os comportamentos individuais e coletivos.

“A gente vai tendo uma melhor percepção dos sistemas nos quais estamos inseridos, das influências que exercem sobre nós e, com isso, temos mais clareza do nosso papel em cada sistema e das causas de dificuldades e conflitos”, afirmou.

O bate-papo do MPAC começa às 15 horas, na sala de multiuso do Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (Ceaf), e as vagas são limitadas.

 

Luciano Trindade

Natural do Rio Grande do Sul, é membro da Procuradoria Geral do Estado (PGE) desde 2002, cursou especializações em direito público, tem mestrado em direito com ênfase em relações internacionais, pela Universidade Federal de Santa Catarina, e já atuou como professor universitário. Além disso, tem cursos em constelação organizacional e é master coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching (IBS).

 

Viver para servir

Parte do modelo de gestão priorizado pelo planejamento estratégico do MPAC e visto como inovador em uma instituição pública, o ‘Viver para Servir’ foi criado em 2014 com o objetivo de promover ações que valorizem os servidores e membros, elevem sua autoestima e redundem em qualidade de vida. Focada no ser humano, a iniciativa trabalha com um conceito de felicidade dependente do equilíbrio entre corpo, mente e espírito. Essa nova fase do programa está potencializando os serviços do Centro de Especialidades em Saúde (CES) com atividades esportivas, de meditação e motivacionais.

Jaidesson Peres – Agência de Notícias do MPAC