MPAC leva projeto “Quarta na Comunidade” aos moradores do bairro Mocinha Magalhães

Os moradores do bairro Mocinha Magalhães e comunidades adjacentes  foram beneficiados nesta quarta-feira (4) com os serviços do projeto ‘Quarta na Comunidade’, criado pelo Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) com o objetivo de aproximar cada vez mais a instituição do cidadão.

Das 8h às 15h, os moradores tiveram à sua disposição os serviços oferecidos pelo Centro de Atendimento ao Cidadão (CAC), Centro de Atendimento à Vítima (CAV), Núcleo de Apoio Psicossocial em Dependência Química (Natera), Ouvidoria Geral e da 13ª Promotoria Criminal – Especializada no Combate à Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher.

O projeto é uma versão reduzida do projeto ‘MP na Comunidade’,  coordenador pelo procurador de Justiça João Marques Pires, que estava cedo no bairro para iniciar o evento. Ele falou da importância da instituição ir às ruas ouvir a população. “A nossa vinda ao bairro é de suma importância, pois nos permite conhecer de perto as principais demandas do cidadão”, destacou.

Segundo o procurador, até ao final do mês de novembro deste ano acontecerão cerca de onze edições do MP na Comunidade. A última está prevista para acontecer no município de Cruzeiro do Sul, por recomendação do procurador-geral de Justiça Oswaldo D’Albuquerque Lima Neto.

 

O atendimento

Desde cedo, vários moradores aguardavam o início dos trabalhos para serem atendidos pelas equipes do Ministério Público acreano. Entre eles estava a vendedora Maria Cecília Ramos, que procurou a ajuda da instituição para tentar acelerar o trâmite de um processo impetrado por ela para conseguir, junto ao setor de saúde estadual, o fornecimento de fraldas geriátricas para sua genitora, que não possui condições financeiras para adquirir o produto.

“O Ministério Público chega em boa hora, pois estou tendo dificuldade para resolver esse problema”, afirmou a trabalhadora, que teve que largar um emprego de cozinheira em um restaurante para cuidar da mãe. Ela disse não ter a quem recorrer para conseguir solucionar o problema de sua mãe e que sua única esperança, agora, está no apoio da instituição ministerial.

Elaine Scalabrini, coordenadora do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) do bairro Nova Estação, fez questão de elogiar a iniciativa do MPAC em levar seus serviços até ao cidadão. “Acho uma ótima oportunidade para as famílias receberem o atendimento do Ministério Público, já que elas têm dificuldade de chegar até a instituição, e  vindo até à comunidade, o acesso fica mais fácil. Acho esse projeto uma ótima iniciativa”, enfatizou.

Para o diretor de Gestão Urbana do Município de Rio Branco, Ailton Castro, o projeto ‘Quarta na Comunidade’ se reveste da mais alta importância para a comunidade. “Gostaria de pontuar a iniciativa do Ministério Público, por sair de dentro da instituição e vir até a comunidade. Em todas as regionais em que o projeto tem levado seus serviços, tem tido uma grande aceitação. É uma forma que os moradores têm de verem garantidos seus direitos”, salientou.

 

Principais problemas

Durante o evento as promotoras de Justiça Myrna Teixeira e Dulce Helena de Freitas, além da coordenação do projeto, reuniram-se com lideranças locais para se inteirar dos principais problemas que afetam a comunidade.

Myrna Teixeira falou sobre a importância do MP dialogar com a sociedade. “Aqui nós estamos interagindo com a comunidade. E nessa interação nós podemos, tanto resolver, orientar, como também podemos aprender quais são as reais necessidades dessa comunidade. Ou seja, o que precisa ser modificado, o que precisa ser revitalizado. É muito importante essa parceria com a população”, destacou.

A promotora de Justiça Dulce Helena, titular da 13ª Promotoria Criminal – Especializada no Combate à Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, disse que estava muito feliz por participar do projeto. “É muito importante estarmos hoje nesse bairro. Acho importante a vinda da 13ª Promotoria aqui, falando sobre o tema “Repúdio à violência contra a mulher”. Viemos manifestar nossa indignação contra esse tipo de crime e também para mostrar nosso trabalho. Estamos felizes, pois vamos poder promover o empoderamento  dessas mulheres, para que elas venham a romper o silêncio e lutar contra a violência que sofrem”, afirmou.

Tamires Pinheiro, presidente do bairro Mocinha Magalhães, também classificou como ótima a iniciativa do projeto.  “A comunidade agradece, uma vez que esses serviços oferecidos são de suma importância para a comunidade. É um olhar mais atencioso, um atendimento particularizado”, declarou.

 

Encaminhamento

Com o projeto ‘Quarta na Comunidade’, o MPAC leva os serviços referentes ao Seguro DPVAT, atendimento psicossocial, combate ao uso de drogas, combate à homofobia, combate à violência contra a mulher, crimes contra crianças e adolescentes, dentre outros. Quando algum caso não pode ser resolvido no próprio bairro, a questão é encaminhada à promotoria ou órgão específico.

 

 Texto e fotos: Antonio Kléber

Agência de Notícias do MPAC