MPAC discute em seminário estratégias para a gestão trinacional do Rio Acre

A coordenadora do Centro de Operacional de Defesa do Meio Ambiente, Patrimônio Histórico e Cultural, Habitação e Urbanismo (Caop/Maphu), procuradora de Justiça Rita de Cássia Nogueira, participou nesta sexta-feira (29) do Seminário de Estratégias Inovadoras de Educação para a Gestão Trinacional do Rio Acre na Região MAP, realizado no Parque Zoobotânico da Universidade Federal do Acre (Ufac).

O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) é parceiro do evento, o qual é a culminância de uma série de atividades realizadas pelo Parque Zoobotânico em colaboração com instituições educacionais do Acre, Peru e da Bolívia, no sentido de promover, através da educação, transformações na cultura local em relação aos cuidados do planeta, sobretudo a água, recurso fundamental para a vida.

Uma das atividades desenvolvidas durante o ano foi a “Campanha da Água: cuidando da água do planeta a partir da região MAP (Madre de Dios, Acre e Pando)”, que contemplou nove escolas da região acreana banhada pelo Rio Acre. Todas as iniciativas são ligadas ao projeto MAP Resiliência, liderado pelo professor Foster Brown, do Setor de Estudos de Uso da Terra e de Mudanças Globais (Setem) da Ufac.

Preocupado com as mudanças climáticas em escala global, o pesquisador vem trabalhando com colegas do Peru e Bolívia na iniciativa MAP, uma proposta que nasceu de uma reunião das universidades da Amazônia Sul-Ocidental, buscando construir estratégias para o cuidado da bacia do Rio Acre, já que se trata de uma bacia trinacional.

“Nossa colaboração diz respeito à organização dessa fase. Falamos de fase porque queremos que isso seja contínuo. O tema central é o cuidado com a nossa casa, o planeta, mas usando água, a questão trinacional, porque não se resolve o problema de água no Rio Acre se não há concordância das pessoas dos três países”, ressaltou Foster.

O seminário contou com a presença de estudantes, pesquisadores e gestores do Brasil, Peru e Bolívia. Presente na abertura e em sintonia com a recomendação do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) para a defesa dos recursos hídricos, a procuradora de Justiça Rita de Cássia Nogueira falou da integração entre os três países. “Esse evento é muito importante porque ele significa a integração entre os países, porque a água não tem fronteira. Estamos numa região privilegiada com abundância hídrica. Mas estamos também numa crise ética, e a educação é a única maneira de a gente mudar isso.”