MPAC denuncia duas pessoas por decapitação de vítima na Cidade do Povo

Duas pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) pelo assassinato de Acílio Veríssimo dos Santos, ocorrido em junho de 2017, no bairro Cidade do Povo, em Rio Branco. A vítima foi decapitada.

O MPAC pede, ainda, a decretação da prisão preventiva dos acusados, como forma de garantir a ordem pública e a aplicação da Lei Penal, considerando a periculosidade dos denunciados e a prática de crime de homicídio triplamente qualificado (torpeza, tortura e emprego de recurso que dificultou a defesa da vítma), além de, segundo consta nos autos, a suspeita de integrarem organização criminosa.

A denúncia, subscrita pelo promotor de Justiça com atuação perante o Tribunal do Júri, Ildon Maximiano, é fundamentada em elementos provenientes de investigação da Delegacia de Homicídios de Rio Branco.

 

O crime

Na madrugada do dia 04 de junho de 2017, no bairro Cidade do Povo, os acusados Emerson Marques e Adalberto Neto atacaram a vítima, desferindo-lhe golpes de arma branca, causando-lhe perfurações no rosto, na região cervical, nas mãos e braços, além de edema na parte genital e nos joelhos, um indicativo de que recebeu golpes enquanto estava de joelhos.

Os golpes atingidos no pescoço da vítima acabaram por separar a cabeça do corpo, ocasionando sua morte. Em seguida, os denunciados puseram a cabeça da vítima sobre o tronco dela e fugiram do local do crime, permanecendo em local incerto por vários dias para evitar prisão em flagrante.

Quando localizado, Emerson chegou a assumir, a princípio, a autoria do crime, mas acabou negando durante interrogatório. Adalberto ainda encontra-se foragido.

O crime teria sido praticado por vingança, já que, em 1997, a vítima teria tentado matar a avó materna do denunciado Emerson.

“Deve-se louvar o trabalho da polícia, na pessoa do delegado Rêmullo César Diniz, e também de seus agentes, que não mediram esforços na identificação dos autores deste bárbaro crime. A expectativa agora é que, sendo processados, sejam conduzidos ao júri, onde possam receber justo julgamento, com a condenação devida”, diz o promotor Ildon Maximiano.

André Ricardo – Agência de Notícias do MPAC