Moradores da Regional do São Francisco são beneficiados com edição do Projeto “Quarta na Comunidade”

Com o objetivo de aproximar cada vez mais a instituição do cidadão, levando seus serviços a todos os rincões do estado, o Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) realizou nesta quarta-feira, 20, na Escola Raimundo Borges da Costa, bairro Chico Mendes, Regional do São Francisco, em Rio Branco, a segunda edição do projeto “Quarta na Comunidade”, uma ação reduzida do projeto MP na Comunidade.

Durante o período das 8h às 15h, os moradores da localidade e dos bairros adjacentes tiveram à sua disposição os serviços oferecidos pelo Ministério Público, por meio do Centro de Atendimento ao Cidadão (CAC), Centro de Atendimento à Vítima (CAV), Núcleo de Apoio Psicossocial (Natera) e Ouvidoria Geral.

Na tarde desta quarta, o procurador-geral de Justiça do MPAC, Oswaldo D’Albuquerque Lima Neto, acompanhou pessoalmente a estrutura, e a realização dos atendimentos que visa aproximar o Ministério Público do Acre do cidadão.

“Nosso objetivo é oferecer atendimento integrado à população, trazendo até aos moradores os serviços que são prestados pelas unidades do Ministério Público. O Quarta na Comunidade propõe um importante elo com a população, pois alcança todas as camadas da sociedade, sobretudo os segmentos mais vulneráveis”, destacou o procurador-geral.

José Carlos Barbosa de Carvalho, aposentado, morador do bairro, vendeu uma motocicleta de sua propriedade, porém a pessoa que comprou o veículo não fez a devida transferência para o seu nome, deixando-o bastante preocupado, o que o levou a buscar atendimento do MPAC. “Estou preocupado, pois a motocicleta continua em meu nome e tenho medo de que algum problema possa acontecer eu venha a ser responsabilizado”, explica.

Para José Carlos, a realização dessa edição do projeto em seu bairro ”veio em boa hora”. “Olha, esse é um trabalho de inclusão social, que contempla vários moradores, que não têm dinheiro para consultar um advogado ou não tem para ir ao MP procurar seus direitos. Esse é um trabalho de cidadania, que todos nós esperamos. Estamos nós, moradores, e a própria instituição, de parabéns”, enfatiza o aposentado.

O presidente da Associação de Moradores do Residencial Santa Cruz, Ednaldo Fernandes, elogiou a iniciativa do Ministério Público em levar seus serviços até ao cidadão. “Eu avalio de uma forma positiva. Hoje nós observamos que existem muitas pessoas que não são alcançadas pelo poder público, os menos favorecidos. Então, esse trabalho tem um alcance muito grande”, destaca Fernandes.

O coordenador do projeto, procurador de Justiça João Marques Pires, afirma que a cada edição realizada são confirmadas as expectativas quanta à participação da comunidade. “O projeto Quarta na Comunidade já é considerado um sucesso. A população tem comparecido, trazido suas demandas, seus problemas, e o Ministério Público tem buscado responder da melhor forma possível, e apresentar soluções para os problemas do cidadão”, afirma.

João Pires informa que na próxima quarta-feira, 27, será a vez dos moradores da Regional do Calafate serem beneficiados pelas ações do MPAC por meio do projeto “Quarta na Comunidade”. Segundo ele, até ao final do mês de novembro deste ano acontecerão cerca de treze edições do projeto.

João Pires informa, também, que no próximo sábado, 23, será realizada uma edição completa do projeto MP na Comunidade, desta vez destinada a atender a população do município de Sena Madureira. “Para fechar o ano de 2017 com chave de ouro, vamos realizar uma edição, também completa do projeto, no município de Cruzeiro do Sul, por recomendação do procurador-Geral de Justiça, doutor Oswaldo D’Albuquerque Lima Neto”, enfatiza o coordenador.

Ida aos bairros

O assistente social do Natera Fábio Fabrício, explica a idéia principal do MPAC ao levar seus serviços até aos bairros.

“O objetivo é  prestar um atendimento integrado às comunidades dessas regionais, trazendo até aos moradores os serviços que são prestados por essas unidades do Ministério Público”, diz Fabrício, que acrescentando que o  ”Quarta na Comunidade” na verdade é uma busca por demandas, ou seja, os casos mais simples são resolvidos no próprio local do evento e os casos mais complexos são encaminhados a outros órgãos internos da instituição ministerial para serem solucionados.

Texto e fotos: Antonio Kléber

Agência MPAC