Exploração de minério na região do Juruá é discutida no MPAC

A possível concessão de terras para exploração de minério na Região do Juruá motivou uma reunião, nesta terça-feira, 05, no Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), com a visita da ex-deputada Perpetua Almeida, atualmente exercendo o cargo de assessora de liderança no Senado Federal, em Brasília (DF).

Perpetua Almeida, acompanhada da professora Fátima Nobre, foi recebida pelo procurador de Justiça Sammy Barbosa, que responde interinamente pelo Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente. O encontrou foi no Gabinete Histórico, que integra o Centro de Memória do MPAC.

A ex-deputada explicou que tem feito visitas a diversas instituições com o objetivo de promover uma grande mobilização para impedir o garimpo no Juruá. Ela revelou que existem vários pedidos protocolados no Ministério de Minas e Energia, sendo que os primeiros foram feitos por uma cooperativa de mineração do Mato Grosso.

Em razão dos requerimentos, olarias e areais da região foram obrigados a suspender parcialmente suas atividades em Cruzeiro do Sul. A maior preocupação é com os impactos ambientais e sociais, caso haja autorização.

Juntos, os pedidos de exploração somam 100 mil hectares nos municípios de Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima e Rodrigues Alves, afetando até mesmo comunidades indígenas. “Precisamos mobilizar a sociedade para que todos saibam o que está acontecendo. Se houver autorização, será um desastre para todos nós”, pontuou Perpetua.

O procurador Sammy Barbosa demonstrou preocupação e garantiu que o Ministério Público do Acre está disposto a discutir o assunto com a sociedade. “Vamos averiguar se existe algum procedimento instaurado no Ministério Público do Acre, levantar as informações necessárias e traçar uma agenda conjunta”, explicou.

Na próxima terça-feira, 12, uma representante dos donos de olarias e areais de Cruzeiro do Sul será recebida no MPAC, em Rio Branco.

Kelly Souza-Agência de Notícias

Foto: Tiago Teles